Incertezas

Incertezas

5 de novembro de 2018 6 Por

Por João Marcos

 

É incerto o amanhã, tal como o hoje
Ambos desesperadores
nos dias de angústia e,
mais ainda, nos dias em que você
não sustenta sua própria solidão

 

Pois nunca alcançaremos a
verdade nua,
não a suportaríamos
Me pergunto se dói viver na mentira
ou em pseudo-verdades

A consciência se compraz em
nos deixar
questões inalcançadas em
nosso íntimo
Nos fazendo humanos: condenados
ao fracasso!

Por ironia, sabe-se lá do quê,
no outro isso não é diferente
Não alcançamos o seu íntimo,
nem sequer chegaremos perto disso

Esse maldito outro, do qual, mesmo
que você se negue
sempre precisará dele, e você
sabe disso!
Origem dos sofrimentos mais
viscerais

Minha consciência se diverte em
minha angústia
Me pergunto: é algo à parte, ou me
sento à mesa com essa infernal?!
Onde jaz o banquete lúgubre no
qual se deleita…
Nunca saber o que o outro, por pior, o
outro do nosso desejo, sente
Depois da morte, essa é uma certeza
que há: que a isso estamos fadados.